Já somos ciborgues?

Há tempos penso que em parte sim. Me convenci após ler o The Cyborg Handbook, editado por Chris Gray em 1995, um livrão que encontrei ainda fresquinho durante um congresso de jornalismo ambiental no MIT. Agora acabo de ler uma reflexão fora de série sobre esse imaginário tecnológico escrita em 2007 por Barbara Nickel no curso de mestrado em Comunicação Social da PUCRS. A dissertação dela – Faces do Eu Ciborgue: Elementos para o Estudo do Imaginário Tecnológico Contemporâneo em Mitchell, Warwick, Mann e Chorost – está disponível no link http://tede.pucrs.br/tde_busca/arquivo.php?codArquivo=658 . Ela foi orientada pelo Francisco Rüdiger, um dos primeiros a fazer uma crítica contundente sobre o tema, relendo Nietzsche e Heidegger, em Elementos para a Crítica da Cibercultura (Hacker Editores, 2002).

Anúncios

  1. Roberto,
    Não afirmaria que “somos” ciborgues!
    Mas caminhamos para uma bela e próspera parceria com a tecnologia neste sentido.
    Há avanços visíveis e, principalmente, confiáveis que transformam vidas, não somente “prolongando-as”, mas tornando-as mais próximas do que consideramos “normalidade”.
    Como dizemos aqui em casa: E viva o IC!

    Bela publicação,

    Abraço,

    Lizandra

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s