A agroecologia segundo Gervásio Paulus

“Eu não entendo a agroecologia como uma forma particular de fazer agricultura, mas sim como um campo de conhecimento que tem a pretensão de ter um status de ciência. Ela aporta estudos, metodologias, princípios e fundamentos para estilos de agricultura de base ecológica”, explica Gervásio Paulus, diretor técnico da Emater/RS e presidente do VIII Congresso Brasileiro de Agroecologia, que aconteceu em Porto Alegre (RS) entre os dias 25 e 28 de novembro de 2013. A seguir a íntegra da entrevista realizada duas semanas antes do evento para a edição de dezembro do jornal Extra Classe.

Por Roberto Villar Belmonte

Blog do Villar: Quando a agroecologia começou a ser vista como prioridade da Emater/RS?
Gervásio Paulus:
No Governo Olívio (1999-2002) houve uma orientação estratégica no sentido de ter um foco em agroecologia. Já existiam experiências pontuais. Mas não um esforço institucional intensivo e concentrado. Naquele momento se propôs uma mudança de fato da missão institucional e do objetivo da Emater/RS, dentro de uma visão estratégica. Houve um número muito grande de diagnósticos rápidos participativos. Este trabalho metodológico de diagnósticos gerou processos. Isto é uma coisa importante para a agroecologia, porque processos ficam. Depois daquele governo tivemos um período de vacas magras.

Gervásio Paulus, presidente do VIII Congresso Brasileiro de Agroecologia - Crédito: Kátia Marcon - Emater/RS
Gervásio Paulus, presidente do VIII Congresso Brasileiro de Agroecologia – Crédito: Kátia Marcon – Emater/RS

Blog do Villar: Qual foi o pior momento?
Gervásio:
No Governo Yeda (2007-2010). A agroecologia não era bem vista. Perdeu-se massa crítica. Em 2009 saíram 400 pessoas de uma única vez. Estamos agora em um processo de renovação muito grande. Temos em torno de 570 novos técnicos, a maioria extensionistas, que entraram a partir de 2011. No Governo Tarso, a agroecologia voltou a ser considerada uma diretriz estratégica dentro da Emater/RS.

Blog do Villar: Como assim?
Gervásio:
Desenvolvemos iniciativas para apoiar a transição agroecológica. Entendemos o rural além do agrícola. Nossa visão pressupõe valorizar e fortalecer a agricultura familiar. Ela não é só um negócio, é também um modo de vida. Em comunidade. Temos sete núcleos de apoio à gestão de cooperativas. Entendemos que é um fator fundamental para o sucesso deste modelo de transição que eu chamo de ambientalização do rural. Para nós não é um modismo, mas um processo permanente. Aí entra o trabalho com foco em agroecologia. Temos um modelo amplamente hegemônico de agricultura convencional, que é o agronegócio. Temos que avançar para níveis crescentes de ecologização, de sustentabilidade. Continuar lendo A agroecologia segundo Gervásio Paulus

Anúncios